Great City Games – Manchester

Um grande evento de rua, realizado duas vezes por ano nas cidades de Manchester, Newcastle e Gateshead, no Reino Unido. Completamente diferente de tudo aquilo em que já tinha participado, este evento aproxima-se mais de um espetáculo do que de uma competição propriamente dita. 

Através da criação de um recinto de tartan em algumas das ruas mais movimentadas da cidade, é dada a oportunidade aos espectadores locais, de assistir à performance de alguns dos melhores atletas do mundo (estrelas paraolímpicas, campeões olímpicos e mundiais), num ambiente urbano, fora do comum.

O convite para participar nesta prova surgiu à ultima da hora e foi aceite sem hesitar. Ainda não sabia bem o que me esperava mas sem dúvida que os 3 dias em Manchester – pré-competição, competição e pós-competição – superaram muito as minhas expectativas. 

Partilhar o quarto com a Éloyse Lesueur, lidar de perto com estrelas mundiais como o Aries Merrit, Mo FarahAllyson Felix entre tantos outros, foi só o culminar de vários sonhos de criança (a pessoa treina para estar nestas coisas mas é impossível controlar as tremuras quando percebes que não estás a ver estas pessoas na TV, mas sim à tua frente na mesa de jantar 😅😂)

A “competição” propriamente dita consistia em realizar 4 saltos, numa plataforma de tartan com um colchão e uma caixa de areia montada na Albert Square. O publico era imenso, vibrava, gritava e aplaudia a poucos centímetros de distância. Éramos 6 saltadoras em comprimento e 6 saltadores à vara a competir alternadamente. A poucos metros de nós, na Densgate, uma das ruas mais icônicas da cidade de Manchester, estava montada a Pista de Sprint, composta por 200m de tartan em linha reta onde corriam atletas com e sem barreiras as mais diversas distâncias.

A experiência nos GCG foi sem dúvida incrível, consegui um terceiro lugar na competição e um SB na minha terceira competição da temporada. No entanto, infelizmente, também voltei para Lisboa com uma lesão complicada. Um deslize no recinto da competição acabou por se traduzir em uma ruptura no quadriceps, que acabou mesmo por necessitar de intervenção médica e hipotecou o resto da época…

Deixe um comentário